O que você procura
você está no Hosp Niteroi D'Or
Hosp Assunção
Hosp Badim
Hosp Bangu
Hosp Barra D'Or
Hosp Bartira
Hosp Caxias D'Or
Hosp Copa D'Or
Hosp e Mat Brasil
Hosp Esperança Olinda
Hosp Esperança Recife
Hosp iFor
Hosp Israelita
Hosp Niteroi D'Or
Hosp Norte D'Or
Hosp Oeste D'Or
Hosp Quinta D'Or
Hosp Ribeirão Pires
Hosp Rios D'Or
Hosp SANTA LUZIA
HOSP SÃO LUIZ
Hosp São Marcos
Hosp Sino Brasileiro
Hosp Villa-Lobos
Mudar hospital

Notícias Científicas


02/06/2016 - O possível impacto da baixa qualidade do café na saúde


Por: Silvia Siag Oigman*, PhD

 

O aroma de um café recém preparado é a primeira sensação prazerosa do dia para mais de um bilhão de pessoas no mundo. A composição química do grão de café está fortemente relacionada com as práticas agrícolas adotadas nas lavouras, seguida da colheita, processamento e preparo da bebida. De todas essas etapas, a colheita e a torra são determinantes para sua qualidade.

 

Devido ao grande volume de produção, o Brasil adota, muitas vezes, técnicas de colheita inadequadas, nas quais frutos com diferentes graus de maturação são colhidos de uma só vez. Cerca de 20% da produção brasileira correspondem a grãos defeituosos, impróprios para exportação e, por isso, são incorporados ao mercado interno, representando 50% do total da produção, comprometendo fortemente a qualidade e segurança alimentar, uma vez que levam a formação de compostos nefrotóxicos e possivelmente cancerígenos.

 

Dessa forma, pesquisadores do IDOR e da UFRJ irão iniciar estudos relacionados ao potencial genotóxico desses grãos. Um dos grandes problemas que comprometem a qualidade do café é sua contaminação por micotoxinas, principalmente ocratoxina A (OTA), substância nefrotóxica e nefrocarcinogênica. Sua formação pode ser evitada ou reduzida através de práticas agrícolas adequadas, colheita seletiva e processamento correto.

 

Felizmente, em torras excessivas, essas substâncias são degradadas. Entretanto, a torra acentuada, independente da qualidade dos grãos, pode levar à formação de compostos mutagênicos e cancerígenos e outros potencialmente genotóxicos, como os hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (PAHs), cloropropanóis e furanos, os quais podem ser transferidos para a bebida. Ao mesmo tempo, cafés nessas torras mascaram aromas indesejáveis e eventuais adulterações, apresentando acentuado amargor e corpo, características muito apreciadas entre brasileiros.

 

Dada a complexidade do processo (do grão à xícara de café), considerando o alto consumo diário no Brasil, e a ausência de estudos conclusivos sobre os teores de tais compostos presentes na bebida, seria razoável assumir, por hora, que o consumo moderado de cafés especiais em torra média seria a prática mais recomendada para mitigar os possíveis riscos e maximizar os efeitos benéficos do café na saúde e bem-estar.

 

 

*Doutora em Química Orgânica (UFRJ). Pós-doc no Instituto D'Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) onde desenvolve o Projeto Café e Cérebro em colaboração com a Embrapa Agroindústria de Alimentos. Coordenadora do Projeto Avaliação da Genotoxicidade em Cafés (IDOR/UFRJ). Coordenadora do Projeto Café Consciência do Instituto Brasileiro de Biodiversidade (BrBio).